Procurar
Menu Menu

Nigéria proíbe uso de modelos estrangeiras em publicidade

Apesar de uma população de 200 milhões, a Nigéria historicamente confiou em rostos estrangeiros na publicidade. Uma nova proibição de modelos brancos e não nigerianos é um grande passo na representação, mas funcionará? 

Quando você pensa na Nigéria, não costuma imaginar modelos e atores brancos com sotaque britânico. Mas em grande parte da cultura pop nigeriana, rostos estrangeiros ocupam o centro do palco.

O assassinato cultural em Hollywood impulsionou o branqueamento do cinema nigeriano. O sotaque nigeriano foi massacrado consistentemente por atores brancos britânicos e americanos, a ponto de perigosos estereótipos africanos terem começado a moldar a auto-imagem da Nigéria.

Mas esta semana, o Ministério Federal da Informação e Cultura da Nigéria anunciou que o Conselho Regulador de Publicidade da Nigéria (ACRON) do país emitiu um proibição formal sobre atores e modelos estrangeiros.

Steve Babaeko, presidente da Associação de Agências de Publicidade da Nigéria, disse sobre a decisão: '10 a 20 anos atrás, se você verificasse os comerciais, eu diria que eles eram quase 50/50 em termos de rostos estrangeiros e todas as vozes eram britânicas. acentos'.

Babaeko argumenta que um recente 'renascimento' cultural na Nigéria viu um 'novo senso de orgulho' emergir entre os população mais jovem.

Um aumento de jovens designers de moda nigerianos e movimentos LGBTQ+ são emblemáticos dessa mudança. Após o anúncio da proibição de modelos estrangeiros, muitos sugeriram que a Nigéria está finalmente 'alcançando' esse sentimento de orgulho nacional.

A proibição entrará em vigor formalmente em 1º de outubro de 2022. Babaeko espera que seja um primeiro passo para permitir que a África 'história e histórias para ser contada por seu povo'.

As agências terão que pagar £ 200 por cada modelo estrangeiro apresentado em um anúncio, na esperança de que o talento local e as economias locais colham os frutos dos projetos criativos da Nigéria.

No entanto, nem todos estão de acordo com a mudança.

Adaobi Tricia Nwaubani, uma romancista nigeriana, sugeriu que, embora muitos vejam a proibição de modelos estrangeiros como uma forma de os nigerianos se libertarem 'de uma mentalidade colonial', na verdade é prejudicial à representação diversificada entre a própria população do país.

"Há muitos nigerianos em casa e no exterior com sotaques britânicos e americanos - autênticos ou falsos - assim como alguns nigerianos que são loiros e de olhos azuis", disse Nwaubani em carta aberta. publicado na BBC.

'Há também muitas mulheres brancas casadas com homens nigerianos [...] mulheres estrangeiras que se casam com homens nigerianos podem ter passaportes nigerianos'.

Nwaubani afirma que a nova proibição não pode impedir que esses 'cidadãos de boa fé' sejam apresentados em comerciais, independentemente da cor de sua pele.

Essas proibições de importações 'estrangeiras' já aconteceram antes. Em 2018, aprovou uma proibição completa do arroz produzido no exterior para aumentar a produção e a qualidade locais.

Embora muitos jovens nigerianos tenham se tornado fazendas de arroz e o país tenha se tornado o maior produtor de arroz da África em 2020, os moradores locais não ficaram felizes com a mudança.

'Muitos nigerianos preferiam o [arroz] importado', afirmou Nwaubani, 'mesmo quando o arroz local era mais barato'.

Embora seus argumentos de diversidade sejam válidos, a preocupação de Nwaubani com a representação nigeriana branca ignora os privilégios existentes concedidos a essa comunidade, criando o desequilíbrio de poder que levou à proibição do modelo estrangeiro em primeiro lugar.

Na Nigéria, os brancos e aqueles com sotaque americano ou britânico costumam ter empregos mais prestigiosos e bem pagos. Os professores com forte sotaque ocidental cobram as taxas mais altas, e as personalidades de rádio mais populares são britânicas e sotaques americanos.

Nwaubani sugere que a decisão de banir tais atores e modelos diante desses fatos é uma tolice. Mas prova que o governo nigeriano está colocando seu povo e sua cultura antes dos ganhos econômicos das classes média e alta.

A nova proibição do país de rostos estrangeiros tem o potencial de impulsionar as indústrias criativas da Nigéria, oferecendo maiores oportunidades à sua população mais jovem, ao mesmo tempo em que eleva seu crescente orgulho cultural.

 

Boletim informativo Thred!

Inscreva-se no nosso boletim informativo para o planeta positivo

Acessibilidade