Menu Menu

Gitex Africa Digital Summit termina em 2024

Num evento que representa o potencial crescente da indústria tecnológica de África, a Gitex Africa concluiu recentemente a sua segunda edição em Marrocos, atraindo inovadores, empreendedores e entusiastas da tecnologia de todo o mundo.

Realizado em Marraquexe, Gitex África reuniu mais de 1,500 expositores e startups, além de milhares de visitantes de mais de 130 países. O evento reuniu ideias, inovações e parcerias destinadas a aproveitar a tecnologia para enfrentar os desafios e oportunidades únicos de África.

A feira apresentou uma gama diversificada de setores, desde fintech e agritech até edtech e healthtech, destacando as muitas aplicações da tecnologia na promoção do desenvolvimento socioeconómico.

Os palestrantes principais incluíram figuras influentes da indústria tecnológica, funcionários do governo e líderes de pensamento que expressaram a importância da transformação digital para alcançar o crescimento sustentável.

Um dos temas centrais da Gitex Africa foi a capacitação da juventude do continente. De acordo com UN, África alberga a população mais jovem do mundo, com mais de 60% dos seus habitantes com menos de 25 anos. Este grupo demográfico apresenta um desafio e uma oportunidade.

A Gitex Africa procurou aproveitar este potencial, fornecendo uma plataforma para jovens empreendedores e inovadores mostrarem as suas soluções e se conectarem com investidores e mentores. De acordo com a Gitex Africa, o PIB da região deverá ultrapassar os 4 biliões de dólares até 2027.

O evento acolheu vários workshops, hackathons e competições destinadas a promover a criatividade e o espírito empreendedor entre os jovens africanos. Estas actividades não só realçaram o engenho da juventude africana, mas também forneceram apoio prático e recursos para ajudar a transformar as suas ideias em negócios viáveis.

Desde startups inovadoras até gigantes tecnológicos estabelecidos, a Gitex Africa destacou a capacidade inovadora do continente. Os expositores apresentaram soluções de ponta adaptadas aos contextos africanos, como aplicações bancárias móveis para quem não tem conta bancária, tecnologias de agricultura de precisão para pequenos agricultores e plataformas de e-learning para colmatar lacunas educacionais.

Um expositor de destaque foi uma startup nigeriana de fintech, Cleva que desenvolveu uma solução baseada em blockchain para agilizar as remessas, reduzindo significativamente os custos e melhorando a velocidade das transações.

Outro destaque foi uma empresa queniana de tecnologia agrícola que utilizou tecnologia de drones e IA para otimizar a gestão das culturas, aumentando assim os rendimentos e apoiando a segurança alimentar.

A cimeira digital enfatizou a importância da colaboração na condução do avanço tecnológico. O evento facilitou inúmeras oportunidades de networking, permitindo aos participantes estabelecer parcerias estratégicas, partilhar conhecimentos e explorar colaborações transfronteiriças.

Os representantes governamentais discutiram políticas e iniciativas destinadas a criar um ambiente propício à inovação tecnológica, enquanto os investidores internacionais manifestaram grande interesse em financiar startups africanas.

À medida que a Gitex Africa terminava, o sentimento de optimismo e entusiasmo era palpável. O evento não só demonstrou as crescentes capacidades tecnológicas de África, mas também mostrou o papel crítico da juventude na definição do futuro do continente.

Através da promoção da inovação, do empreendedorismo e da colaboração, a Gitex Africa continua a preparar o terreno para um renascimento digital que promete transformar o cenário socioeconómico de África.

Acessibilidade