Procurar
Menu Menu

A tecnologia de nuvem pode ajudar na transição bancária para o líquido zero?

Dados da IDC mostram que a transição de sistemas legados dentro do setor bancário pode evitar 1 bilhão de toneladas de dióxido de carbono nos próximos anos. Um consenso crescente de especialistas é que o futuro verde da indústria está na computação em nuvem.

Nossas preocupações financeiras e medo existencial sobre o clima estão intrinsecamente ligados, aparentemente. Ótimo.

Pode não ser algo que consideramos com frequência, mas a energia necessária para facilitar as transferências bancárias e o gerenciamento de dinheiro é extremamente significativa. Isso mesmo, não é apenas por o financiamento de combustíveis fósseis com o qual precisamos nos preocupar.

A maioria dos bancos opera seus próprios centros de dados, o que significa muitas dezenas de milhares de computadores, dispositivos de armazenamento, sistemas de refrigeração e servidores. Em média, cada grande instituição exigirá mais de 100 megawatts para funcionar em capacidade normal, o que é suficiente para abastecer cerca de 80,000 residências americanas ao mesmo tempo.

Embora essa quantia seja preocupante, a indústria fin-tech reconhece amplamente que deve zerar suas práticas nos próximos anos se quisermos atingir as metas de descarbonização - excluindo criptomoeda, que é um bebedor de energia besta inteiramente própria.

Na COP27 em novembro, esta mensagem foi transmitida por grandes players do Reino Unido, incluindo o Santander e o HSBC, cujos executivos discutiram a progressão natural do setor bancário a caminho do líquido zero. Armado com dados da empresa de inteligência de mercado IDC, eles afirmaram que a computação em nuvem é a solução mais promissora.

A Microsoft esteve presente na cúpula e discutiu a viabilidade de desligar o hardware físico e migrar todos os processos para a nuvem para qualquer comprador. Ele estimou que isso reduziria as atuais emissões de carbono dos data centers em até 98%.

Esse padrão já foi estabelecido por banco de equalização no Canadá, e um banco italiano chamado Fluxo. Ambos optaram pela tecnologia de nuvem em vez de hardware e apresentam emissões de carbono entre 95-98% menores do que a maioria das instituições que ainda não deram o salto.

Embora haja um caminho claro para atingir o zero líquido em oferta, a transparência também continua sendo uma questão fundamental no setor. Apenas um punhado de empresas relata publicamente a pegada de carbono de seus processos, e a ONU está finalmente começando a exigir evidências de progresso ecológico.

Os reguladores dos EUA e da UE há muito propuseram a divulgação obrigatória de empresas listadas, incluindo suas emissões de Escopo 3 – ou seja, aquelas indiretamente influenciadas por um banco – e várias grandes empresas estão incluídas.

Por mais vagos que sejam os detalhes atualmente, diz-se que a coorte é grande o suficiente para que até 2024 seja esperada uma redução mínima de 629 milhões de toneladas métricas de dióxido de carbono. Além dos bancos, os data centers em geral devem adotar práticas de sustentabilidade mais inteligentes que economizarão mais de um bilhão de toneladas métricas de emissões.

É promissor ver a Big Tech se envolvendo nos esforços de descarbonização, mas a neutralidade do carbono até 2030 ainda parece um grande desafio.

 

Boletim informativo Thred!

Inscreva-se no nosso boletim informativo para o planeta positivo

Acessibilidade