Procurar
Menu Menu

Novo estudo diz que geração Z deixaria empregos em vez de ser infeliz

Uma nova pesquisa da Randstad, publicada pela Business Insider, diz que os jovens preferem deixar o emprego e procurar outro lugar do que permanecer em uma posição que os deixa infelizes.

A era da lealdade à empresa acabou oficialmente, se já não era óbvio.

Um novo estudo da consultoria de recursos humanos Randstad descobriu que a maioria dos funcionários da Geração Z deixaria seu emprego atual em vez de ficar infeliz. Esta é uma diferença significativa de atitude em comparação com as gerações mais velhas de trabalhadores, especialmente os Baby Boomers.

A pesquisa foi feita por 35,000 pessoas de 18 a 24 anos de 34 mercados diferentes. 56% dos participantes disseram que deixariam o emprego se não estivessem felizes.

Embora isso não seja um grande grupo de pessoas, é is uma gama diversificada o suficiente para oferecer insights relevantes sobre uma faixa etária tipicamente eclética. Em uma era de empreendedorismo de mídia social, trabalho freelance independente e conectividade online, parece que a Geração Z está ansiosa para explorar suas opções e determinar o que é melhor para eles, em vez de qualquer negócio.

Além do bem-estar mental, os participantes da pesquisa também disseram que a flexibilidade no local e horário de trabalho era uma grande prioridade.

A Geração Z mostrou um enorme desejo por oportunidades de autodesenvolvimento, com 88% respondendo que participariam de programas de aprendizado se oferecidos pelos funcionários.

Agora, eles também estão mais fáceis de acessar do que nunca, graças às plataformas online como Skillshare. Encontrar as habilidades e os cursos certos deve ser um trabalho leve para as corporações e o benefício para a Geração Z claramente vale a pena. Quer que seus funcionários fiquem por perto? Ofereça-lhes novas perspectivas de aprendizagem!

A conclusão clara desta pesquisa é que os trabalhadores da Geração Z não estão alimentando ideais capitalistas como seus colegas mais velhos. Auto-aperfeiçoamento, bem-estar e progressão são mais importantes do que o resultado de qualquer marca.

https://www.youtube.com/watch?v=K8xy_Mzqwb4&ab_channel=GEOPOP

Simplificando, os jovens estão focados em melhorar suas próprias habilidades e marca. Não deveria ser uma grande surpresa, especialmente porque mais de nós tentamos capitalizar nas plataformas de mídia social promovendo nossa própria imagem, arte, habilidades criativas ou blogs.

Em um comunicado, CEO global da Randstad disse que essas descobertas devem 'servir como um alerta para os empregadores'. Ele acrescentou que "há uma clara mudança de poder em andamento à medida que as pessoas repensam as prioridades".

Os valores pessoais são a força motriz que empurra a Geração Z para seus próprios caminhos de emprego. Será preciso flexibilidade de marcas e empresas para atender a esse individualismo recém-descoberto.

Ser escravo de uma grande corporação que não se preocupa com o seu bem-estar está se tornando coisa do passado.

 

Boletim informativo Thred!

Inscreva-se no nosso boletim informativo para o planeta positivo

Acessibilidade