Procurar
Menu Menu

Por que o novo documentário 'Slay' fará você reavaliar a moda

Slay é um documentário revelador que fará você olhar para seu guarda-roupa em uma luz totalmente nova, provavelmente vermelha.

Matar é um novo documentário que estreia no WaterBear, o novo serviço de streaming ambientalmente consciente. Apresentado e dirigido pela ativista dos direitos dos animais Rebecca Cappelli, o filme tem como objetivo destacar os cantos escuros da indústria da moda.

Nos últimos anos, as consequências desastrosas das mudanças climáticas tornaram-se mais evidentes e cada vez mais frequentes. A indústria agrícola tem sido uma das principais causas, mas o foco geral e a atenção do público sempre foram os alimentos e não a moda.

Matar pretende mudar isso, dando às nossas roupas tanta atenção e críticas quanto o que comemos.

O documentário explora as questões éticas em torno dos materiais favoritos da moda, incluindo couro, peles e a lã do influenciador eco-consciente.

O filme é produzido por Keegan Khun, o premiado co-diretor do documentário seminal Cowspiracy. Com um nome tão grande ligado ao projeto, as comparações parecem inevitáveis. Então, é Matar para a indústria da moda o que Cowspiracy foi para a agricultura? E será igualmente influente?

Conheça Rebeca

No coração do Matar é a diretora Rebecca Cappelli, uma fashionista francesa que se tornou uma lutadora pelos direitos dos animais, que inicia o documentário fazendo a pergunta – você pode ser um amante dos animais e usar animais?

É um dilema com o qual muitos de nós lutamos, servindo como o ethos central do filme e incentivando o público a participar. Estamos prontos para seguir Rebecca em sua jornada de três anos por sete países para descobrir respostas.

Como sugere o logotipo salpicado de sangue, no entanto, elas podem não ser as respostas que queremos ouvir.

O documentário não tem roteiro. A maioria de suas filmagens foi filmada antes da narrativa que se desenrola em torno das revelações sangrentas que Rebecca e sua equipe descobrem constantemente, dando ao documento uma sensação autêntica de descoberta.

A equipe do Thred teve a sorte de entrevistar Rebecca após uma exibição de estreia em Londres.

Quando questionada sobre a aquisição da filmagem, ela explicou que um dos aspectos mais assustadores durante as filmagens foi que 'não passamos meses tentando procurar alguns problemas ou algum problema'. Os motivos de preocupação estavam escondidos à vista de todos, prontamente visíveis para qualquer um que estivesse preparado para olhar.

A principal intenção do filme é levar as pessoas a fazer exatamente isso, expondo o verdadeiro custo moral das roupas cotidianas. Matar quer que reconheçamos a realidade brutal de como nossas roupas são feitas na próxima vez que virmos um par de sapatos de couro ou um casaco de pele.

A mentira de couro

Depois de uma sequência de créditos de abertura estrondosa na passarela, somos brindados com entrevistas de profissionais do setor que se sentem diretamente A vida do O diabo veste prada, ampliando a importância de longo alcance da moda.

Esta introdução reforça a ideia de que se você usa roupas, está se envolvendo com a moda.

Veja, não é apenas um suéter azul grumoso, Anne Hathaway!

Dessa forma, o filme nos torna todos participantes culpados, cooperando sem saber com uma indústria cruel, exploradora e prejudicial.

Uma vez que o público está na berlinda, o filme disseca cuidadosamente todos os argumentos pró-moda ao longo de seus 85 minutos de duração. Defesas como “o couro é mais duradouro e mais biodegradável do que as alternativas sintéticas” são despojados de sua pele evasiva para revelar a verdade sangrenta por baixo.

Para atender à demanda, produtos químicos poderosos são usados ​​para transformar eficientemente a pele do animal em couro. Estes são extremamente prejudiciais ao meio ambiente e prejudiciais não apenas à força de trabalho explorada, mas também aos moradores próximos de curtumes que estão expostos à água tóxica.

Isso pode não incomodar você se sua jaqueta de couro tiver uma etiqueta 'made in Italy', um prestigioso sinal de status que evoca imagens de artesãos italianos trabalhando com materiais de alta qualidade e de origem ética - o que é falso.

Para se qualificar para este selo 'ilustre', apenas uma pequena porcentagem do processo de fabricação precisa acontecer na Itália.

Isso significa que um cinto de couro feito de uma vaca criada em uma área desmatada da Amazônia, cuja pele foi transportada para uma fábrica na Índia para ser curtida antes de seguir para Milão para os retoques finais, ainda pode contar como 'made in Italy'.

Este é apenas um exemplo de Matar contrariando o dogma da indústria, há muito confiado, projetado para convencer os clientes de que o couro é um mero subproduto da carne e da pecuária leiteira quando, na realidade, o couro é tão valioso quanto o que está por baixo.

Embora o documentário encoraje os espectadores a questionar suas próprias escolhas quando se trata das roupas que compramos, a responsabilidade não recai inteiramente sobre o consumidor.

Matar não tem vergonha de nomear e envergonhar grandes marcas que compram couro de fontes questionáveis ​​como Armani, Versace, Dior, Zara, Calvin Klein e Tommy Hilfiger, só para citar alguns.

Se esses grampos da indústria são cúmplices dispostos a esse processo enganoso e dissimulado, isso faz você se perguntar sobre o que mais a moda está mentindo para nós.

O lado não tão macio da pele e da lã

Uma vez que o público tenha sido exposto a imagens suficientes de peles empilhadas, o filme muda seu foco para peles.

Matar deve ser elogiado por incluir entrevistas com defensores de ambos os lados do argumento da pele. Uma conversa com o CEO da Fur Europe revela a verdadeira escala da indústria, com milhares de fazendas abrigando milhões de animais como martas, chinchilas, raposas e guaxinins.

Da mesma forma que o couro, a pele há muito afirma ser uma opção mais sustentável do que as alternativas à base de plástico (mas, ao contrário do couro, não nos vejo comendo um bolonhesa feito de carne de vison depois de roubar sua pele).

Você poderia sugerir que o documentário não é totalmente justo, intercalando a entrevista com fotos de animais enjaulados ao lado de fatos e gráficos, negando as alegações nebulosas do CEO de que a pele é humana. Da mesma forma, não é preciso muito esforço para fazer com que visons gaseados e raposas eletrocutadas pareçam antiéticos.

Assistir a imagens de criaturas sendo capturadas, enjauladas e mortas por causa de suas peles é provavelmente a parte mais dolorosa do documentário, mas a verdade geralmente é desconfortável. Matar é implacável em suas mensagens, deixando claro que usar peles de animais ignorando o sofrimento que causa não é justo.

Finalmente, o filme tenta tirar a lã de nossos olhos para revelar a verdade sobre – bem, lã.

A lã é frequentemente deixada de fora das conversas sobre crueldade animal, pois nenhuma ovelha precisa morrer para obter o material. Você poderia fazer um argumento semelhante sobre o leite, mas como qualquer pessoa que viu o documentário Ordenhada (também disponível gratuitamente no WaterBear) saberá, quando se trata de cultivo de animais, a crueldade nunca é difícil de encontrar.

A Austrália produz 80% da oferta mundial de lã merino, mas os agricultores criam seus cordeiros durante o inverno para manter os custos baixos.

Surpreendentemente para um país que celebra o Natal em calções de banho, os invernos australianos são particularmente brutais. Isso, combinado com a reprodução seletiva para estimular gêmeos e trigêmeos – o que torna o processo de parto mais difícil – significa que milhões de cordeiros morrem todos os anos poucas horas após o nascimento.

Então, o que pode nós usamos?

Para o fim de Matar, você começa a sentir que não há mais espaços seguros para se esconder quando se trata de decidir o que vestir.

Embora o filme deixe você nu para a verdade, você não precisa jogar fora todo o seu guarda-roupa e se juntar a uma comunidade de nudismo – o documentário oferece uma conclusão otimista.

Os avanços na tecnologia alternativa estão aumentando o tempo todo. Marcas como Stella McCartney e Adidas estão liderando o caminho, com couro feito de micélio. Outros substitutos à base de plantas incluem folhas de abacaxi e pele de cacto.

Citar O homem de 6 milhões de dólares, 'nós temos a tecnologia.' O que precisamos é a demanda. E é aí que todos nós temos que fazer nossa parte.

Matar fala também de uma questão sociopolítica mais ampla.

Durante uma sessão de perguntas e respostas após a estreia do filme, perguntaram a Rebecca Cappelli, considerando a atual ameaça ambiental à Terra, por que os animais são importantes?

O diretor traçou um paralelo entre o tratamento cruel dos animais e a crise climática, ligando-os à mesma questão causal – um descaso irracional pela vida.

Ela enfatiza que precisamos nos reconectar com toda a vida se quisermos ter uma chance de resolver os problemas enfrentados pelo nosso planeta. E toda a vida significa todos os vida. Sustentabilidade e ética precisam ser sinônimos. Tentar resolver o problema com um e não com o outro nunca vai funcionar.

Vale a pena assistir?

De vez em quando surge um documentário que muda completamente a maneira como vemos uma parte cotidiana de nossa vida. Matar é um desses filmes.

Assim como o Cowspiracy nos fez reavaliar o que comemos, Matar nos faz questionar como nos vestimos. Mas, apesar de se concentrar em apenas um tópico, filmes como esses servem como lembretes inestimáveis ​​da relação da humanidade com a natureza e por que nunca devemos parar de nos esforçar para equilibrá-la.

Assista Slay gratuitamente agora no Urso d'água.

5
fora de 5

Um documentário obrigatório

Meus amigos e colegas não vão escapar dessa.

 

Boletim informativo Thred!

Inscreva-se no nosso boletim informativo para o planeta positivo

Acessibilidade