Procurar
Menu Menu

Opinião – 'Kim, há pessoas que estão morrendo' é uma mentalidade tóxica

A frase popular se tornou um padrão quando nós – ou outros – reclamamos de coisas triviais em nossas vidas, mas esse processo de pensamento poderia ser prejudicial?

Vivemos na era da maior conscientização global, com a capacidade de saber o que está acontecendo em praticamente qualquer parte do mundo a qualquer momento.

Se você tem notificações de aplicativos de notícias, sabe como é desconcertante receber um ping sobre um ato aleatório de terrorismo, a descoberta de um novo vírus semelhante ao Ebola ou ameaças contínuas de guerra por alguma grande superpotência mundial – tudo antes de sair a porta da frente para começar a trabalhar.

Como alguém que cresceu no Ocidente moderno e relativamente estável, isso me deixou bem ciente de que minha vida, em um contexto global, está longe de ser difícil. É claro que as coisas nem sempre foram 100% perfeitas, mas o fato é: recebi um nível de privilégio que milhões – ou melhor, bilhões – de pessoas ao redor do mundo não têm.

Abrir a torneira e ser atendido com água limpa, residir em uma cidade interligada e relativamente segura, receber educação de qualidade e terminar cada dia em uma cama quentinha – são luxos adquiridos por um golpe de sorte, por ter nascido em determinado lugar no tempo certo.

Para muitos que estão lendo isso, a maioridade em um mundo hiperconectado tornou impossível ignorar o nível de sofrimento humano experimentado globalmente. Depois de ser bombardeado por fluxos constantes de informações e cair no hábito de rolagem do destino, é fácil se sentir ridículo ou culpado por reclamar quando certas coisas dão errado em nossas próprias vidas.

Eu sei que não estou sozinho nisso, mas vale a pena discutir como essa cultura de comparação global de aflição é algo relativamente novo. Também é importante ressaltar que isso pode ser muito prejudicial.

#Problemas de primeiro mundo

A mídia social já foi considerada uma ferramenta para nos unir, levando nossas redes da vida real on-line, mantendo contato através das fronteiras internacionais e construindo comunidades on-line com outras pessoas, independentemente de sua localização física.

Mas as comunidades online fomentaram um sentimento de hostilidade e – como não há escassez de notícias mais mórbidas online – os usuários da web são rápidos em descartar uns aos outros dizendo que seus pequenos inconvenientes não valem a pena ser incomodados, muito menos compartilhados nas mídias sociais. .

Talvez não houvesse um único momento que desencadeasse a rotina de diminuir as experiências pessoais dos outros ao medir seus problemas em relação a questões globais. Os pais têm dito aos filhos para 'agarrar' e 'superar' desde que os bebês nascem, e isso certamente está enraizado em nós algum nível de apatia em relação aos perigos cotidianos um do outro.

Dito isso, porém, um momento na cultura pop nos armou com a resposta perfeita para alguém reclamando de coisas que consideramos minúsculas. Sua capacidade de desligar alguém com uma frase rápida e rápida garantiu sua proeminência na última década.

Estou me referindo a um episódio de 2011 de Keeping Up with the Kardashians. Durante as férias nas Maldivas, Kim ficou histérico quando ela perdeu um de seus brincos de diamante de US $ 75,000 no oceano depois de ser jogada do cais privado por seu então noivo.

Ao ouvir sua irmã gritando e chorando sobre o desastre dos diamantes, Kourtney colocou a cabeça para fora de seu próprio quarto de hotel privado com o bebê no quadril para dizer em um tom icônico e inexpressivo: 'Kim, há pessoas que estão morrendo.'

Essa resposta – hilária e surpreendentemente verdadeira – imediatamente fez Kim parecer dramática demais, especialmente considerando que tudo isso aconteceu no cenário de um resort de férias extremamente luxuoso.

A frase foi viral e tem servido como resposta quando as pessoas reclamam longamente sobre coisas triviais, como seu programa de TV favorito ser descontinuado ou horas de espera por um trem que acabou sendo cancelado, por exemplo.

Mas, embora engraçado, essa resposta é realmente saudável quando usada entre pessoas comuns? Dar voz às inconveniências diárias está se tornando um crime? Claro, pode ser chato de ouvir – mas, na maioria das vezes, desligar o sofrimento de outra pessoa dessa maneira pode ser um pouco tóxico.

A citação de Kourtney soou particularmente verdadeira durante o auge da pandemia. Enquanto muitos de nós ficamos em casa, twittando sobre fadiga pandêmica, pele ruim, ganho de peso e saudades de nossas vidas sociais, as pessoas foram morrendo.

Mas isso não impediu que ninguém se sentisse ansioso, deprimido ou preocupado com o futuro – impediu? Se alguma coisa, a pandemia forneceu a ilustração perfeita de como nossos próprios sentimentos pessoais de estresse e desequilíbrio são ainda real mesmo se soubermos que outros estão passando por pior.

Neste momento, não há escassez de notícias que possam fazer os leitores se sentirem gratos pela posição em que estão atualmente. Dito isso, simplesmente saber que coisas piores estão acontecendo no mundo não faz com que nossos próprios problemas desapareçam.

Embora seja importante um lembrete humilde de privilégio pessoal e expressar gratidão pelos confortos da vida moderna, é uma lógica extremamente redutiva pensar: 'Eu não deveria estar chateado com o ABC, porque outra pessoa tem XYZ.'

E se estivermos constantemente comparando nossas próprias lutas com o escopo mais amplo, podemos nos tornar robôs passivos e apáticos sem interesse em melhorar nosso próprio bem-estar ou vidas. Parte de ser humano é usar nossos piores momentos como combustível para nos tornarmos melhores, o que nos torna mais bem posicionados para ajudar os outros.

Perspectiva é importante

Antes de encerrarmos, vale a pena esclarecer algumas coisas.

Isso não quer dizer que devemos coletivamente aumentar nossa auto-importância ou começar a reclamar com assertividade sobre cada coisa ruim que nos acontece.

Tampouco estou dizendo que devemos desistir de prestar atenção às notícias sobre questões globais, só porque essa informação nos faz sentir mal.

O objetivo aqui é questionar por que superar uns aos outros (ou a nós mesmos) com mais negatividade se tornou a norma. Parece que em nossos esforços para parecermos ultraconscientes sobre o mundo, na verdade estamos perdendo a compaixão uns pelos outros em nossa comunidade imediata.

Uma experiência pessoal minha me vem à mente, então vou falar sobre isso.

Eu tinha acabado de passar várias semanas me candidatando e entrevistando para empregos depois de estar desempregado e financeiramente instável por vários meses. Depois de expressar como eu não consegui dormir devido ao estresse de ser rejeitado por quase todos eles e me perguntando como eu iria pagar meu aluguel, alguém que eu estava vendo respondeu: 'oh pobre garotinha americana, ela é tão estressado.'

Isso era irritante por duas razões, primeiro porque Eu não sou americano e em segundo lugar, porque exemplificou como a falta de empatia deles combinada com suas suposições sobre minha vida (eles definitivamente não teriam dito isso se vissem meu saldo bancário na época) pode sufocar completamente uma conexão entre duas pessoas. Escusado será dizer que nunca mais fui a eles com nada pessoal.

Então, quando dizemos coisas como 'ok, mas há pessoas que estão morrendo', é poder oferecer um pouco de perspectiva, mas não é exatamente útil. É como dizer a alguém que, a menos que esteja tendo algum tipo de crise que altera a vida, deve pensar duas vezes antes de desabafar ou pedir ajuda.

Escusado será dizer que a maioria das pessoas com acesso a notícias diárias são consciente de que o mundo é um lugar totalmente injusto e confuso. Manter um almanaque de histórias horríveis para usar como medidor de sofrimento não pacifica ou faz com que nossas próprias experiências negativas, lutas ou estresses se dissipem.

E com essa perspectiva, tudo o que é preciso para tornar o mundo um pouco melhor é mostrar compaixão pelas pessoas ao nosso redor – ou, no mínimo, dar ouvidos quando elas estiverem tristes.

 

Boletim informativo Thred!

Inscreva-se no nosso boletim informativo para o planeta positivo

Acessibilidade