Procurar
Menu Menu

Zimbábue recorre a moedas de ouro em meio à alta inflação

Em junho, a taxa de inflação do Zimbábue aumentou para 192%, um aumento de 60% em relação a maio. Em um movimento para conter a crise, o banco central lançou moedas de ouro. O país está atualmente experimentando altos preços dos alimentos, aumento do desemprego e um abandono do dólar do país em favor do dólar.

O Covid-19 – como bem se sabe – levou a bloqueios e distanciamento social, afetando negativamente a economia já em dificuldades do Zimbábue. Mesmo agora, a escassez de alimentos e combustível continua a afetar fortemente seus cidadãos.

O dólar vem perdendo valor consistentemente há mais de uma década. Em um esforço para combater o problema, o Zimbábue introduziu 'moedas de ouro' como moeda alternativa.

Apresentá-las ao público já foi um desafio, porém, já que mais de 70% da população trabalhadora está informalmente empregada e não tem condições de comprar a nova moeda.

De acordo com o Congresso dos Sindicatos do Zimbábue (ZCTU), a taxa de desemprego é superior a 80%, pois os jovens não conseguem encontrar empregos formais e ganhar a vida.

No entanto, um relatório do governo da Agência Nacional de Estatísticas do Zimbábue (ZIMSTAT) afirma que a taxa de desemprego é de 19%.


A crise inflacionária

A partir de segunda-feira, o governo do Zimbábue anunciou que começará a vender a nova moeda de uma onça. As moedas de ouro serão negociadas tanto nacionalmente quanto no exterior e poderão ser trocadas por dinheiro.

Este movimento visa reduzir a circulação da moeda original que ainda está perdendo valor a um ritmo alarmante. O Zimbábue enfrenta crises econômicas há anos e, sob o governo do falecido presidente Robert Mugabe, o país atingiu uma taxa de inflação recorde de 489 bilhões % em 2008.

A hiperinflação forçou o governo a imprimir uma nota de 100 trilhões de dólares, que foi a primeira vez em todo o mundo. A nova moeda de ouro é tentar moderar a alta demanda do dólar que está contribuindo para a diminuição do valor.

Devido ao alto custo de vida, o país passou por inúmeras greves relacionadas ao aumento salarial e ao uso do dólar como moeda.

No final do mês passado, médicos e professores protestaram para exigir um aumento salarial, pois o custo das commodities disparou. Ainda esta semana, os sindicatos anunciaram que suas reivindicações não foram atendidas e iniciaram uma greve de dois dias que começou de 27 a 28 de julho.

O secretário organizador da Confederação dos Sindicatos do Setor Público do Zimbábue, Charles Chinosengwa, falando ao SABC news, disse: 'a inflação do Zimbábue foi corroída, como trabalhadores, estamos exigindo não um aumento salarial de 100%, mas a restauração de nossos salários de $ 540 a partir de outubro de 2018. Os preços das commodities estão sendo cobrados em dólares e estamos enfrentando desafios.'

Atualmente, milhares de graduados estão desempregados e o sistema educacional tem sido altamente afetado pela alta inflação.

Na semana passada, membros do parlamento desafiaram a Ministra da Educação, Evelyn Ndlovu, por não recrutar 5,000 novos professores, mesmo após a alocação do orçamento. O ministério disse que a hiperinflação afetou os recursos – até agora apenas um pequeno número foi recrutado.

As crianças em idade escolar que vivem com deficiência são as mais afetadas por essas deficiências, pois há muito poucos professores especializados capazes de oferecer cuidados ou atenção adequados.

Para tentar reverter o quadro inflacionário, o governo, por meio de especialistas, decidiu rever seu orçamento. Trata-se de discutir questões como disponibilidade de moeda e inflação.

Preocupações com o bem-estar social, como saúde, ajuste de faixas tributárias sustentáveis ​​e muito mais, serão críticas para a realização de soluções de inflação.

Além disso, mais grupos e instituições de ajuda estão surgindo para ajudar os vulneráveis ​​nas comunidades marginalizadas.

As negociações de empréstimos do Zimbábue foram proibidas por grandes instituições de empréstimo como o FMI há mais de uma década devido à inflação que enfrenta há anos. Hoje, a dependência de instituições não governamentais, como o órgão da ONU, oferece assistência a grandes partes do país por meio de alimentos, abrigo e outros produtos básicos para as famílias mais necessitadas.

Quando Robert Mugabe foi forçado a renunciar em 2017, muitos esperavam ver a economia prosperar e a corrupção acabar. No entanto, os casos de corrupção continuam a aumentar e o atual governo ainda não conseguiu conter uma segunda onda de hiperinflação.

Esperamos que a economia do país prospere mais uma vez para melhores condições de vida.

 

Boletim informativo Thred!

Inscreva-se no nosso boletim informativo para o planeta positivo

Acessibilidade