Procurar
Menu Menu

Quando levaremos o futebol feminino a sério?

Apesar da vitória que a Inglaterra marcou no mês passado, o governo se recusou a dar às meninas acesso igual ao futebol nas aulas de educação física escolar. Quando daremos às mulheres a mesma chance de trazer o futebol para casa?

Embora eu me chame de feminista, fui culpada de prestar muito mais atenção ao Euro masculino em 2021 do que ao torneio feminino deste ano, assistindo apenas a algumas partidas neste verão.

Não é porque eu não me importo. Afinal, minha irmã é jogadora de futebol.

Então, por que não sintonizei quando a Inglaterra se aproximou de sua primeira vitória na Eurocopa? E por que nenhum dos meus amigos, familiares ou colegas perguntou se eu tinha assistido a última partida na TV?

O futebol feminino ainda não é 'grande' o suficiente - ou ainda somos culpados de dar aos homens um pedestal quando se trata de certos esportes?

Natalie Strange, uma subscritora assistente de 25 anos que joga futebol no Bowers & Pitsea Ladies Football Club, pratica o esporte desde os sete anos. “Eu não tenho um momento específico que me fez entrar nisso”, diz ela.

'Eu sempre adorei jogar.'

Ellie Brasil, que acaba de assinar com o Tottenham Hotspur Women, diz que nasceu em uma família que amava futebol.

'Fui jogada em um gol como manequim para meu irmão antes mesmo de completar um ano de idade', ela me conta de Louisville, EUA, onde seu time joga na Copa Feminina na última semana. "Mas os papéis começaram a se inverter logo depois disso."

O Brasil, 23, joga profissionalmente há cerca de seis anos. Na escola, ela teve a sorte de ser muito boa no tênis e no atletismo, assim como no futebol – mas o último sempre foi o mais divertido e jogar com seu irmão ajudou o vínculo entre irmãos a crescer ainda mais.

Loren Whyte é professora secundária de educação física em Enfield. O futebol foi apresentado a ela através dos meninos no pátio da escola. 'Naquele dia, fui para casa e disse ao meu pai que queria jogar', conta ela. 'Ele me levou ao parquinho, me mostrou alguns treinos e não parei de jogar desde então.'


O triunfo das leoas

Em 31 de julho, a Inglaterra assistiu orgulhosamente as Leoas de Sarina Wiegman foram coroados campeões do torneio europeu da UEFA. Com o maior público de qualquer jogo do Campeonato da Europa, com mais de 87,000 pessoas, o dia não foi apenas uma vitória para a Inglaterra, mas também para o futebol feminino.

Saber que o estádio estava lotado foi um grande momento, diz Strange.

O Brasil observa que a vitória foi 'enorme' para o campeonato em que joga também. Muitos – se não todos – os jogadores das seleções europeias jogam na mesma liga e se você olhar para o calibre dos jogadores que ingressaram nessa liga desde o final do Euro, é enorme, diz ela.

Na semana passada, o Chelsea colocar no lance mais alto de todos os tempos no futebol inglês de 500,000 euros para a meio-campista francesa Grace Geyoro.

Embora a vitória tenha inspirado milhares em todo o país e no mundo, como mulher negra, Whyte encontrou uma falta de representação dentro da equipe e de sua equipe técnica. “Não há apego emocional porque não vi ninguém que se parecesse comigo”, diz ela.

A questão da igualdade não prevalece apenas nas grandes seleções, mas também nas escolas públicas. Atualmente, apenas 63% das meninas têm acesso ao jogo durante as aulas de Educação Física.

Que mensagem isso passa para nossos filhos?

“É uma pena que as meninas não tenham as mesmas oportunidades que as outras”, diz ela. 'O futebol sempre foi meu esporte favorito em Educação Física e é uma pena que as pessoas tenham que perder – especialmente com o crescimento que vimos nos últimos anos.'

O Brasil diz que não dar às meninas as mesmas oportunidades que os meninos no futebol escolar é 'ridículo'. As meninas podem então decidir se têm paixão pelo esporte desde tenra idade – não vejo como podem tirar isso das crianças pequenas, diz ela.

A primeira equipa do jovem de 23 anos foram os rapazes do West Bridgford FC. A maioria dos meninos eram gentis e convidativos, mas um deles realmente não a suportava tocando e tornava sua vida de seis anos muito desconfortável, ela lembra. 'Ficou na minha cabeça para sempre', acrescenta o Brasil.

Strange diz que teve a sorte de nunca ser o alvo do ódio, mas muitas vezes vê outras garotas como alvo online, enquanto Whyte destaca que, embora tenha sido chamada por ser muito 'masculina' - a maior reação que ela recebe é sobre a cor da pele dela.


É a falta de igualdade em PE onde todos os problemas começam?

Shrehan Lynch, professor de Educação Secundária Inicial de Professores da Universidade de East London, que visita escolas e dá palestras sobre educação física, diz que os jovens ainda não são apoiados e representados na educação física – e o gênero é apenas uma questão sociocultural que precisa ser abordada nesse espaço.

Lynch recentemente escreveu Pedagogies of Social Justice in Physical Education and Youth Sport, um livro que investiga questões contemporâneas da sociedade, incluindo saúde, sexismo, racismo, classismo, heterossexismo, capacitismo e colonialismo dentro da educação física.

Em suas visitas, a professora observa que ainda vê escolas praticando queimada.

'Isso foi introduzido no Hall da Vergonha das atividades de PE' – um guia indicando as atividades que os professores de EF devem evitar – em 1992. 'Mas ainda está por aí', ela observa.

Ela sente que ainda temos um longo caminho a percorrer antes que os jovens tenham experiências positivas de movimento. “Especialmente se eles estiverem sendo usados ​​como alvo dentro de um jogo”, diz Lynch.


Então o que vai demorar?

Movendo-se para um futuro próximo, Strange acredita que os pontos de vista e opiniões das pessoas mudarão naturalmente, especialmente depois que perceberem o quão grande o esporte pode ser.

Para alcançar essa mudança de mentalidade, Whyte acredita que começa com a adição de futebol no currículo de educação física, bem como dando a mulheres e meninas com origens de todos os tipos a chance de participar – não apenas aquelas de áreas mais ricas. 'Ele precisa ser mais acessível para as meninas e mulheres de áreas marginalizadas que não têm acesso aos treinos de futebol por causa do custo ou da localização', diz ela.

'As pessoas afirmam que o futebol é um jogo de homens', diz o Brasil. 'Um comentarista até disse isso na TV ao vivo na semana passada, mesmo depois de termos acabado de ganhar o Euro', ela lembra.

O Brasil acredita que sempre será um esporte que será um pouco criticado por quem está sentado atrás de um laptop porque busca curtidas.

“Mas quanto mais fãs conseguirmos para os jogos profissionais, mais crianças aparecerão, mais [os jogadores de futebol] poderão interagir com eles e mais podemos influenciá-los a jogar”, diz ela.

O Brasil está especialmente animado para setembro, quando a equipe do Tottenham Ladies enfrentará o Arsenal no Emirates Stadium, jogo que já vendeu mais de 20,000 mil ingressos.

Ela observa que um dia será ela quem assistirá as crianças de seu time se encontrarem depois dos jogos, então cabe a jogadores de futebol como ela mostrar a eles que ser uma jogadora de futebol é possível – e um trabalho classificado.

"Você é pago para chutar uma bola com seus amigos", diz ela. 'Não poderia ficar muito melhor.'

 

Imagem do título cortesia de História do futebol

 

Boletim informativo Thred!

Inscreva-se no nosso boletim informativo para o planeta positivo

Acessibilidade