Procurar
Menu Menu

Opinião – Furacão de Porto Rico merece mais cobertura

Na semana passada, Porto Rico estava sem água potável ou eletricidade, mas a cobertura jornalística do funeral da rainha Elizabeth II levantou questões sobre como as redes deveriam priorizar seu conteúdo.

Na segunda-feira da semana passada, o furacão Fiona deixou Porto Rico sem água potável ou energia. Na madrugada desta terça-feira, duas pessoas haviam morrido.

Chuvas fortes destruíram grandes áreas de terra porto-riquenha, com meteorologistas prevendo que continuarão por muitos dias.

A ilha tratou então até 30 polegadas de chuvas, o que aumenta o risco de enchentes, deslizamentos de terra e destruição de áreas urbanas.

Um homem de 58 anos foi morto depois que a água de um rio transbordante o varreu. Outro homem, de apenas 30 anos, morreu em um incêndio no gerador.

O furacão Fiona devastou o país poucos dias antes do quinto aniversário da Furacão maria – uma tempestade de categoria 5 da qual Porto Rico ainda está lutando para se recuperar.

O presidente Biden declarou uma emergência nacional no território dos EUA e a Guarda Nacional mobilizou 600 soldados em Porto Rico.

Essas estatísticas são chocantes, até porque você pode estar ouvindo-as pela primeira vez.

A cobertura jornalística do evento – especificamente nos EUA e no Reino Unido – tem sido fragmentada. Em vez disso, o funeral da rainha Elizabeth II cobriu as principais redes durante toda a segunda-feira.

Embora possa ser um momento histórico marcante para a Grã-Bretanha, a morte da rainha tem um valor jornalístico mínimo.

Após um período de luto de 10 dias, no qual as mídias sociais, televisão e painéis digitais foram consumidos por ele, é seguro assumir que praticamente todos no Reino Unido – e grande parte do mundo ocidental – estão cientes da morte de Elizabeth II.

Mas o furacão Fiona é – como muitos apontaram – uma grande notícia em andamento. Centenas de milhares estão sofrendo com o mínimo de ajuda da comunidade internacional.

Ana Navarro, estrategista política nicaraguense americana, criticou a cobertura geral do funeral da rainha na segunda-feira.

'Gente, eu respeito a Rainha tanto quanto a próxima pessoa. Eu ofereço minhas condolências aos britânicos e a todos que a amavam', ela compartilhou um tweet.

'Mas posso obter algumas notícias e imagens dos efeitos de Fiona em Porto Rico? Para aqueles que precisam ser lembrados, eles são cidadãos americanos em perigo.

A Luma Energy, operadora da ilha, disse na segunda-feira que algumas áreas levarão dias até que a energia seja reconectada.

Os voos para fora do principal aeroporto do país foram cancelados e vários portos e estradas foram fechados. A ilha foi realmente isolada do mundo exterior.

No entanto, apesar da devastação, alguns estão apoiando os principais meios de comunicação para priorizar o funeral real em sua cobertura.

Jonathan Bernstein argumentou que, embora o furacão Fiona mereça tempo no ar, os meios de comunicação devem estar cientes de sua audiência.

'Estou [...] preparado para defender a indulgência geral do fascínio da América pela realeza britânica, mesmo diante de notícias mais obviamente urgentes e importantes', afirmou em um comunicado. Post de opinião da Bloomberg.

No entanto, os comentários de Bernstein claramente não falam pelas massas que ele esperava que falassem.

Enquanto os principais meios de comunicação continuam a lamentar a morte da rainha, produzindo infinitas rodadas sobre a mesma história, a mídia social se iluminou com o debate sobre o que consideramos 'notícias dignas'.

Além da reação sobre o custo do funeral real – que deve arrecadar mais de US$ 7.5 milhões em um momento em que os britânicos estão lutando para navegar por um custo de vida crise – comentários online criticaram sua cobertura depois de lutar para encontrar informações sobre o furacão Fiona nos principais canais de notícias.

Em um tweet anterior, Navarro falou por muitos daqueles que se sentiam cansados ​​​​pela conversa interminável de uma morte real, durante faixas de outras notícias urgentes – e desanimadoras.

“Gostaria de poder assistir ao funeral da rainha sem tantos comentários. Foram 11 dias de conversa real sem fim. Torna difícil se concentrar na solenidade da cerimônia. Ainda bem que ela finalmente vai descansar em paz'.

Infelizmente, a solenidade do sofrimento de Porto Rico é difícil de entender pelo motivo oposto.

Vamos torcer para que aqueles que perderam suas vidas e continuam a lutar diante do desastre natural recebam a paz e os votos de melhoras que concedemos à família real nos últimos 10 dias.

 

Boletim informativo Thred!

Inscreva-se no nosso boletim informativo para o planeta positivo

Acessibilidade