Procurar
Menu Menu

Estudo revela que cinco países devem mais de US$ 6 trilhões em danos climáticos

Com os números econômicos quantificados em um novo relatório, os maiores emissores de gases de efeito estufa do mundo podem finalmente ser responsabilizados pelos danos ambientais que infligiram às regiões mais pobres.  

Não é segredo que a crise climática foi alimentada principalmente pelas nações mais ricas do mundo.

Esses países historicamente colheram os benefícios econômicos e sociais de destruir ecossistemas inteiros para obter recursos naturais limitados, como petróleo e gás, ao mesmo tempo em que são responsáveis ​​por 92% do excesso de CO2 em nossa atmosfera.

Mas a mudança climática é altamente injusta, e aqueles que vivem na Sul global estão sendo desproporcionalmente impactados pelos efeitos das mudanças climáticas, como secas, inundações e calor extremo – apesar de contribuir com a menor quantidade de emissões.

Muitos ativistas compartilham a visão de que alcançar a justiça climática exigirá que os países ricos e de alta emissão paguem reparações pelos danos que infligiram às nações de baixa emissão, que foram injustamente forçadas a arcar com o peso da mudança climática.

Graças a um estudo do Dartmouth College, com sede nos EUA, publicado na terça-feira, o impacto econômico dos danos causados ​​por países com altas emissões já foi quantificado – e isso pode dar um grande impulso ao litígio internacional sobre o clima.


Quais são as nações mais culpadas?

Sem surpresa, o relatório diz que os principais emissores do mundo são os EUA e a China, sendo cada um responsável por perdas de renda global de US$ 1.8 trilhão nos anos 1990-2014.

Durante o mesmo período, as emissões da Rússia, Índia e Brasil causaram perdas de receita de US$ 500 bilhões. Quando combinados, esses números somam cerca de US$ 6 trilhões em perdas acumuladas, cerca de 11% do Produto Interno Bruto (PIB) global total.

Para calcular os números, os pesquisadores avaliaram quanto carbono cada nação liberou na atmosfera e como isso contribuiu para acelerar o processo de mudança climática. Também trouxe dados existentes sobre como o aumento das temperaturas afetou as economias das nações vizinhas.

Por exemplo, o relatório culpa as emissões dos EUA pelo calor extremo e pela seca no México, que custou ao país US$ 79 bilhões entre 1990-2014 devido à redução da produtividade do trabalho e ao enfraquecimento do rendimento das colheitas.

Em uma cruel reviravolta do destino, os rendimentos das colheitas nos estados do norte dos EUA realmente beneficiado de temperaturas mais quentes causadas pelo aquecimento global – ganhando a América $ 182 bilhões no mesmo período, de acordo com o estudo.

Embora seja verdade que as ações judiciais focadas no clima se tornaram mais comuns, elas geralmente foram movidas contra grandes empresas de petróleo e outras empresas de alta emissão. Por outro lado, visar nações específicas para suas emissões tem sido mais difícil sem uma pesquisa científica abrangente sobre o tema.

À luz dos números publicados pelo Dartmouth College, as batalhas legais e as negociações climáticas destinadas a responsabilizar financeiramente as nações de alta emissão pelos danos que causaram terão uma credibilidade recém-descoberta.


O que as reparações climáticas alcançariam?

Uma abordagem internacional para as reparações climáticas não buscaria apenas retificar os danos econômicos, sociais e ambientais que o Sul Global experimentou (e continuará a sofrer) como resultado das emissões do Norte.

Também serviria para enfrentar os sistemas opressivos de colonialismo e exploração históricos, que deixaram os países mais pobres sem os recursos necessários para construir resiliência à crise climática, tanto financeira quanto administrativa.

O novo financiamento permitiria aos governos do Sul Global fornecer acesso confiável à energia aos cidadãos, melhorar os métodos de adaptação ao clima e construir habitações seguras e resistentes ao clima.

O financiamento também poderia ser usado para nações em desenvolvimento obterem sistemas de energia verde, diminuindo assim qualquer dependência de combustíveis fósseis e para fortalecer seus sistemas de alimentos e água para lidar com a crescente escassez de recursos.

As reparações climáticas foram abordadas na COP26 em novembro passado, e o novo relatório de Dartmouth certamente criará bases mais fortes para impulsionar a agenda no evento deste ano no Egito.

Em combinação com os mais recentes relatórios da ONU Relatório climático do IPCC que afirma como as comunidades que menos contribuem para a mudança climática estão sofrendo mais, o argumento para exigir reparações climáticas para o Sul Global nunca foi tão justificado.

 

Boletim informativo Thred!

Inscreva-se no nosso boletim informativo para o planeta positivo

Acessibilidade